Majestade Propaganda

Se a sua marca não representa sua empresa, vire esse jogo.
28 junho 2017

Se a sua marca não representa sua empresa, vire esse jogo.

O que vem a sua cabeça quando eu falo Coca Cola? Além do sabor inconfundível, aposto que vem também a identidade dessa marca, que tem tudo a ver com as sensações provocadas pela bebida mais famosa do mundo.

Estamos cercados por marcas o tempo todo em nosso dia-a-dia, mas quantas delas realmente conseguem representar suas empresas, produtos e serviços? A marca é o DNA de uma corporação, é o que liga o cliente ao produto. E é aí que entra a importância de uma marca criada por quem entende de branding. Para criar uma marca, não basta escolher sua cor preferida e o nome que você julga ideal.

Vou dar um exemplo simples e que tenho certeza que todos vão entender: marcas de escritórios de advocacia. Geralmente vemos o sobrenome dos advogados, aquele símbolo tradicional da balança ou a Deusa Grega Têmis, que é a Deusa da Justiça. Como se destacar em meio a tantos iguais?

 

Por que fazer igual se você pode fazer diferente?

guarda-chuva

A American Marketing Association define marca como “um nome, sinal, símbolo ou desenho, ou combinação dos mesmos, que pretende identificar os bens e serviços de um vendedor ou grupo de vendedores e diferenciá-los daqueles dos concorrentes”.

Se você é advogado, você não precisa ter uma marca igual a de todos os outros advogados da cidade. O mesmo serve se você é dono de um restaurante, de uma loja de roupas ou de qualquer outro negócio. Sabe aquele ditado “a primeira impressão é a que fica”? Pois é, sua marca é a primeira impressão que é transmitida ao seu público. E se a sua marca é praticamente igual a de seus concorrentes, você não vai se destacar. Marca é comunicação, comunicação precisa ser efetiva.

Quando uma marca se torna sinônimo de seu produto

Existe uma figura de linguagem na Língua Portuguesa chamada metonímia. Um exemplo disso é quando chamamos o produto pela sua marca. Vamos lá:

– O que você quer jantar hoje? Vamos fazer um miojo ou vamos à feira comer pastel?

– Prefiro pastel. Quero um de frango com catupiry… Mas antes preciso tirar um xerox de uns documentos.

– Beleza! Também preciso passar no mercado para comprar algumas coisas… Acabou o Bombril, o Leite Moça, o Cotonete e também não tenho Gillette pra fazer a barba.

– Acho que o Sucrilhos acabou também, não acabou?

– Ainda tem um pouquinho dentro daquela Tupperware… Tá ali do lado do Nescau.

Viu como o poder das marcas é incrível? Em um diálogo que não duraria nem 1 minuto eu citei 10 marcas que usamos como sinônimos de seus produtos, ou seja, a marca tem mais peso que o próprio produto. É claro que a maioria dessas marcas tem anos de história e são conhecidas nacionalmente e até mundialmente, mas a sua marca também pode ter essa expressividade na área que atua, basta que ela seja desenvolvida por quem sabe o que está fazendo.

Branding e Rebranding

Branding é muito mais que a criação de um símbolo que representa seu produto ou serviço, uma marca é todo o universo de identificação que o consumidor cria com o produto ou serviço. E lembre-se: consumidor não é só quem compra, se você conhece uma marca e se relaciona com ela de alguma forma, você já está consumindo. Você não precisa ter uma Ferrari para consumir a marca. Você pode comprar uma caneta da Ferrari ou até mesmo compartilhar um vídeo da Ferrari em seu Facebook que você estará consumindo da mesma forma. Se a sua empresa já tem uma marca mas ela não comunica o que você quer transmitir, se a marca dos seus concorrentes é mais efetiva e mais lembrada, fique calmo. Nem tudo está perdido. O Rebranding é um processo necessário nesses casos e precisa ser comunicado da maneira correta para o seu público-alvo.

As cartas já estão na mesa

Kevin Roberts, em seu livro “Lovemarks – O Futuro Além das Marcas”, diz que o que diferencia uma marca qualquer de uma lovemark é a presença da sensualidade, do mistério e da identidade. Uma lovemark é amada por todos, é o que liga intimamente o cliente e a marca. O seu público não se apaixona por estratégias, ele se apaixona por histórias e suas essências. E esse é o alicerce da criação de qualquer marca que precisa antes de mais nada alavancar o poder da emoção, do respeito e do amor. Mude sua marca, seja visto, seja lembrado. Vire esse jogo.

Pedro Marcolino

Por

Pedro Marcolino

Categorias

Branding

Comente

Voltar para o topo